0

0

sexta-feira, novembro 20, 2009

Respondendo as questões de uma grande amiga

Eu adoro escrever, mas aos poucos eu fui deixando o olhar dos outros influenciar no meu julgamento sobre os meus escritos e com medo dos julgamentos eu fui contendo a minha escrita, acho q medo também de me tornar o que eles diziam que eu era. Dramática demais, reclamona e nem lembro mais o que. Talvez por medo também de me tornar egocêntrica, sei lá. Passei um tempo até sem escrever para os amigos, muitas vezes por perceber que eu podia estar sobrecarregando eles, e que as respostas muitas vezes não vinham.


É muito curioso quando eu lembro da minha adolescência, porque eu sempre tive um paquerinha, alguém que eu achava bacana e que eu contemplava ao longe (mesmo que ao lado) rs, porque eu esperava que um dia ele me visse e retribuisse, e de uma certa maneira eu ainda espero por isso. Contudo é certo que na minha adolescência nem eu me via, eu só via as experiências que eu podia compartilhar com as pessoas, só vivia, e nem pensava muito se fazia diferença estar só ou estar junto, isso me afetava quando as minhas amigas ou amigos me trocavam pelos namorados (as), rs

E como isso passou a acontecer com mais frequência com o passar dos anos, eu comecei a valorizar mais o fato de estar só ou de estar junto, e nas poucas oportunidades que eu pude estar junto, todas para mim foram boas e importantes de alguma maneira. Mas quando eu via que não era recíproco isso me machucava e eu não entendia o porque, e de certa maneira até hoje não entendo muito bem. E eu deixava q isso fortalecesse a minha baixa-estima, as vezes ainda deixo.


Quando eu entrei na faculdade eu comecei a me ver, com certeza os quatro anos de terapia que foram finalizados no 2º ano do curso fizeram a diferença também. Eu me enxergava uma pessoa disponível, paciente, e que demonstrava muito claramente (até quando não queria) quando gostava de alguém, contudo mais com atitudes de estar junto e de se importar do que com palavras.


Muitas vezes, e muitos dias hoje eu penso que as pessoas não me enxergam, as que me interessam ou interessavam, e na maioria das vezes me vêem como amiga. E me ocorreu agora que eu posso até não ter visto muitas pessoas q se interessavam e que não demonstravam, vai saber.

Não sei se estou em harmonia. Sei que hoje eu sou uma pessoa desenrolada em muitos sentidos, mas não no sentido de desenrolo a dois com o sexo oposto, rs continuo uma retraída e destrambelhada. E o fato de não acreditar em coisas forçadas só piora tudo, mesmo que ao menos hj eu consiga ter vontade de pedir para q alguém me apresente alguém ou desenrole alguém para mim, contudo acho q ainda não pedi para pessoas q realmente me levem a sério ou se solidarizem com a minha causa, rs

O que eu espero de mim mesma é amadurecer sempre, me permitir cada vez mais, aguçar mais a minha percepção ainda mais para perceber o interesse alheio no bom sentido, rs continuar preservando o meu senso de humor, valorizar os momentos sozinha ou junto. Sobreviver é parte da caminhada, viver é a caminhada, aproveitando os pequenos e grandes momentos, os medianos tbm, aproveitando com que tá longe, com quem ta perto e com que tá só na memória.


Muitas vezes os outros que vejo esperar alguma coisa de mim, porque tem muitos que eu nem sei o que esperam de mim, e os que sei que esperam é só amizade ou pelo menos é o que fica claro ou escuro.


Eu não sei como procurar, e deve ser esse o problema. Eu aceito de quase tudo, magro, cheinho (gordinho não dá), alto, baixo (mas mto baixo não dá), por isso quase tudo, rs Um parceiro é tudo q eu desejo, porque é muito triste não poder compartilhar certas coisas, que eu nem sei como são e que não me arrependo de não ter deixado rolar de qualquer jeito, rs Sim adorei você não me dizer que "seu tempo vai chegar" não aguento isso, e sintonizar é tudo, nas poucas vezes q por uma noite, um mês ou um ano virtual eu consegui sintonizar foi um arraso.


E eu to perdida pois tem muitas sintonias antigas que nunca deram em nada, e que por estar sem uma eu ainda me pego torcendo p que sintonize na minha. E tem umas sintonias nada interessantes que quando eu entro em desespero eu até considero, mas felizmente o desespero não é suficiente para q eu tope. Mas nenhuma nova para me dar aquele sabor de descoberta ou de possibilidades à vista. Justamente não tem nada à vista, como assim?