0

0

domingo, março 25, 2012

Meu olhar por Interiores - parte 3

Prestigiei a pré-estreia de Interiores e 400 anos de solidão nesta quinta (22/03).
Fiquei admirada com a imagem de uma senhora que contava sobre a dedicação do marido em construir o local onde seria sepultado. Além do impacto dessa história que ela contava, a sensação de observar essa senhora foi muito diferente para mim, em certos momentos ela me parecia uma pintura. Como uma das faces do sertão, seu sofrimento não era expresso em seu discurso, mas nas marcas que o tempo estampou em seu corpo. Ela parecia tão frágil e ao mesmo tempo tão forte.

A animação das Carpideiras ficou deslumbrante, parabéns aos talentosíssimos irmãos Salles Bagetti, Werner e Weber.


Trailer Interiores from Núcleo Zero on Vimeo.

quinta-feira, março 15, 2012

Meu olhar por Interiores - parte 2

Dá para curtir um bucado o hotsite de Interiores ou 400 anos de solidão, aos poucos estou me encantando cada vez mais com este projeto e aguardando pacientemente para ver o média-metragem no dia 22 de março.

Hoje olhei atentamente os story boards no álbum Design Gráfico. Já havia me surpreendido ao observar a ficha técnica do filme e ler a palavrinha animação. A Núcleo Zero é responsável por trabalhos muito bonitos e marcantes de animação, entre eles o documentário O matuto Zé Cará, de Tato Salles, com cerca de 9 minutos de animação. Weber Salles Bagetti é o artista responsável pelas animações.



Em alguns vídeos do Diário de bordo no hotsite é possível contemplar testes de animação. 

estudos animações from Núcleo Zero on Vimeo.

Fico só imaginando o resultado final e você?

quarta-feira, março 14, 2012

Meu olhar por Interiores

Interiores ou 400 anos de solidão é o mais novo projeto da agência Núcleo Zero. Média-metragem que será lançado no dia 22 de março no Centro Cultural SESI em Maceió-AL. O filme está sendo divulgado através do hotsite www.interioresdoc.com.br e gostaria de compartilhar por aqui o meu apreço pelas imagens e vídeos que estão disponibilizados em Interiores.
A página inicial a capa do filme e quatro imagens muito bonitas, essa é uma delas.

Neste álbum podemos conferir os storys boards das animações que foram desenvolvidas para Interiores


Ainda não consegui ver todos os vídeos, mas esse das Carpideiras tá muito bom!

Carpideiras from Núcleo Zero on Vimeo.




terça-feira, março 13, 2012

Exercitar a escrita

Todo santo dia penso em algumas muitas coisas que poderia ou gostaria de escrever, no entanto, sempre erro a medida entre pensar e escrever, e assim penso demais e escrevo de menos.
E por isso estou aqui escrevendo este post para exercitar a escrita, e quem sabe consigo amanhã fazer algo parecido também. Será pouco visto ao latente desejo de escrever histórias, análises e textos bacanas, mas terei vencido o escrever de menos mais uma vez, e de palavra em palavra quem sabe.

Em muitas ocasiões vejo sites que gostaria de falar sobre, e aí penso demais sobre como abordá-los. Ontem mesmo vi um, e esse especialmente poderia escrever vários dias sobre ele, mas hoje não o fiz. Fica a esperança de que o farei amanhã.
Se quiser me deixar um recado, agradeço, pois há de me ajudar a voltar aqui amanhã.

segunda-feira, março 12, 2012

Fotografia e eu

Cresci revendo as fotos de quando era criança.
O curioso é que não guardo em minha memória o que vivenciei antes dos meus 7 anos, e dos 7 aos 14 lembro de situações poucas. E assim era através das fotos que minha mãe contava o que aprontei, aprendi e vivi.
Não eramos compulsivos por fotografia enquanto tínhamos a disposição apenas a câmera analógica. Mas com certeza não faltava câmera, nem filme, nem fotos.
Em 1998 tive que me despedir do colégio no qual estudei 12 anos de minha vida (estava com 14 anos), era a primeira grande mudança na minha vida (já que nunca tinha se que mudado de casa). E para registrar o meu último ano no colégio, andava com a câmera analógica sempre que possível. Em 2001 mudei novamente de colégio, e como o cronograma deste colégio novo envolvia muitas festas e confraternizações, grudei na minha analógica mais uma vez. E esse grude na analógica foi intensificado em 2003 pois na faculdade passei a vivência com palestras, reuniões, seminários, festas, confraternizações e queria registrar tudo, afinal estava cursando comunicação, habilitação Jornalismo.
Tive contato pela primeira vez com uma câmera digital em 2004, utilizava câmera emprestada da Universidade e principalmente câmera emprestada de amigos. Pois somente em 2007 ganhei minha 1ª câmera digital.

Fotografar sempre foi um prazer, desde que recebi a minha câmera digital o prazer dobrou, assumi a necessidade de registrar e só me apaixono ainda mais pela fotografia. E foi justamente ao ver hoje fotos que me fizeram sentir e querer ainda mais registrar, que estou aqui compartilhando sobre.