0

0

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Aquele caminho...


Tá aki no negativo da minha memória... e tem vezes que eu fico absorta só lembrando e tem outras que as lembranças me invadem e eu brinco de reconstituir tudo daquela noite... Sim a anterior tbm conta, o forró, a conversa, mas foi na seguinte, naquela noite que vc me mostrou que queria fazer parte da minha vida, o que me fez mto feliz e eu só pude querer fazer parte da sua tbm.
E depois de tantas reconstituições, fui convidada pela minha saudade a transcrever cada momento do nosso percurso, a compartilhar mais um bucado contigo...

Sim, p mim tudo ficou mais claro ao te ver naquele ônibus sem os seus amigos...
E aí o desafio era travar uma conversa e fazer o interesse progredir até um clima mais propício rolar, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
E o percurso foi o de andar até o marco zero.
Na ida, os pensamentos desconfiados "será que vai rolar?", "será que vai ser bom?", "como vai ser?". Aquele pisar em ovos, "poxa, ele parece tão legal", "e essa minha vergonha que não passa...".
O meio do caminho foi a minha busca por um lanche e vc pacientemente brincando comigo e esperando... Aquele frevo q nem vc nem eu sabiamos como brincar, até q decidimos brincar juntos... "Podemos tudo", poxa ficou até mais claro nos gestos do que nas palavras, pq não teve palavras depois disso, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
E aí o que me encanta agora é lembrar do caminho de volta, sim, porque aí eu lembro de como estavamos felizes e chameguentos, e carinhosos, e desejosos, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Pois é aquela volta do Marco Zero, aquelas paredes, hj são minhas lembranças queridas...
Até o próximo capítulo...
Nostre bacci

segunda-feira, janeiro 21, 2008

Rascunho


É eu tinha que começar por algum lugar...

Produção Audiovisual Alagoana

*De passagem ao ingresso
No fim do século XIX com as experimentações fotográficas que intecionavam colocar as imagens em movimento, surgiu o cinema. E não demorou para que um dos tantos inventos chega-se ao brasil pelas mãos de um fotógrofo frÂnces, e as primeiras cenas gravadas em nossas terras foram da Bahia de Guanabara no Rio de Janeiro, antes mesmo do navio aportar em um de nossos portos.
A febre de salas de exibição e de casas de fotografia que passaram a fazer trabalhos cinematográficos ocorreu graças a emigração dos italianos para o Brasil, pois a grande maioria dos profissionais era estrangeiros, havia também alguns portugueses e franceses, mas a maioria eram italianos.
E foi um desses italianos, o fotógrafo Guilherme Rogato, que ao vir fazer uma exposição fotográfica em Maceió, acabou fazendo planos para aqui retornar. Veio primeiro em 1919 e dois anos depois retornou com sua fotografia e uma câmera cinematográfica. Como trazia uma inovação em sua bagagem, Rogato logo teve o reconhecimento do governador e começou os seus registros: carnaval de 1921, e de 1926, saída da matineé, inauguração da ponte Vitória e homenagem ao governador fernandes lima. Seus filmes logo eram exibidos em alguma das de cinema da cidade, já havia algumas na época, surgiram quando os primeiros aparelhos de cinematografos foram acolhidos por aqui, ainda nos primeiros anos do século XX.
A cinematografia exercia uma função documental, natural, os posados, como eram chamados os filmes de ficção ocorriam em instalações precárias, no Rio e em São Paulo. As películas mais populares eram as que faziam reconstituições de crimes ediondos, pois misturavam cenas reais com matérias de jornais, e os quadros com as legendas.
Mas em Máceio o desejo de gravar um posado só foi concretizado graças a parceria com um Pernambucano chamado Edson Chagas, que junto com Rogato, e após dois anos de projeto gravaram...

sexta-feira, janeiro 04, 2008

2007/2008



Hj eu sei que eu realmente sou uma pessoa apaixonada pela vida, e essa paixão vai se estendendo a tudo que vou participando, conhecendo, me integrando... E por isso que 2007 foi um ano tão bom porque, eu me apaixonei pelo clima que ele emanava, e esse clima me fez ficar apaixonada por coisas novas, por coisas cotidianas e por coisas antigas...