0

0

quinta-feira, março 24, 2011

Aqueles vídeos finalizados enfim

Essa semana os astros alinharam-se e não teve mais nenhum capítulo da Urucubaca Audiovisual que desabafei aqui na semana passada e que foi o processo de edição desses vídeos que por vários motivos foi vagaroso desde dezembro, mas agora tá aí, amém, rs

O Riacho Cultural é uma iniciativa dos Saudáveis Subversivos que promoveu atividades culturais na praça de Riacho Doce, Maceió-AL. Foram quatro edições em 2010, de agosto a novembro, onde grupos folclóricos apresentaram-se, rolava Cinema na Praça pelo Barracão Cine Clube e show com artistas locais.

Como Saudável Subversiva estive presente em todas as edições em alguns momentos filmando, em outros fotografando e em outros ainda fazendo origami ou apenas assistindo. Foi uma experiência muito rica, e dava o maior orgulho ver a praça cheia de pessoas. 

Fandango do Pontal, Sessão Cinema na Praça e Samba da Ladeira.

Cinema na praça e show da banda Chamaluz

Baianas Doce Vida do grupo da melhor idade de Riacho Doce, Cinema na praça, Grupo de coco do bairro, Tradição Alagoana, Pauline Alencar, com Sambas de todos os tempos.

Ciranda e Ginástica do grupo da melhor idade Doce Vida de Riacho Doce, Cia La Luna de Dança Flamenca, Tony Câmara e Rodolfo Manta.

segunda-feira, março 21, 2011

Na era do smartphone

Em termos de recursos tecnológicos ainda estou engatinhando pois não possuo equipamentos profissionais. Contudo não é difícil ouvir falar de vídeos feitos por celular que receberam prêmios por aí, pois os festivais que contemplam esses realizadores vieram para ficar.

Amanhecer ao som de Todo Tom é minha primeira experiência gravada em meu smartphone. Estava retornando de uma viagem e pude registrar esse lindo amanhecer. Todo Tom é uma música que amo muito de uma cantora que admiro demais, Fernanda Guimarães e que me deu o prazer de poder utilizá-la.






quinta-feira, março 17, 2011

Urucubaca Audiovisual



Para quem não souber o que é...


URUCUBACA. Ou cafife, ou caiporismo, ou azar, ou sorte mesquinha, ou sorte torcida, ou má sorte, significa, como o próprio nome está dizendo, a falta de sorte no que a pessoa faz. A palavra urucubaca vem de urubu – ave de mau agouro e cumbaca, um peixe azarento que, se pescado estraga o dia do pescador. Para a pessoa se livrar da urucubaca, nada como dar uma pancada em qualquer móvel de madeira com as costas dos dedos da mão direita. (http://www.soutomaior.eti.br/mario/paginas/dic_u.htm)


Antes dar pancadas em móveis resolvesse, rs
Quando não quebram, as máquinas vez ou outra escolhem atormentar-me de outra maneira, e seu derivados tbm ajudam. 
Vou contar só o episódio mais recente, do contrário vou encher o saco de quem ler isso aqui.


Estou tentando terminar quatro vídeos tem dois meses, e toda vez que acho que cheguei na versão final dá algum defeito. A princípio faltava material. Uma vez resolvido, o vídeo começou a dar bug, primeiro exibindo as imagens com linhas do tipo interfrência. Depois finalizei com o conteúdo incompleto. E agora que achei ter resolvido tudo e subi o vídeo para o youtube, o áudio sumiu. Acabei de apagar, e só Deus sabe quando terei coragem e paciência para tentar acabar com essa novela, aff

terça-feira, março 01, 2011

Línguas

Inglês


Minha mãe conta que fui eu quem pedi para fazer inglês, mas você imagina uma menina de 5 anos, em 1990, Maceió-AL, pedindo para estudar inglês? E como não me lembro, rs
O fato é que estudei inglês durante 9 anos. Era um método mega repetitivo, passávamos a aula toda  repetindo o vocabulário umas três vezes, depois repetindo umas três vezes cada parte da lição e depois dialogando exemplos ou respondendo por escrito. Davamos a lição ao professor na outra aula. Lembro-me o quanto ficava nervosa antes da prova oral, gostava muito da prova com áudio, também tinha prova escrita.
Minha formação é básica, pois a escola, Lincoln Center, não tinha preparação para os testes avançados, hoje ela nem existe mais. Até pensei em cursar novamente, contudo quando fiz teste de nível e vi que ainda teria que cursar uns quatro anos faltou coragem. Mas adotei a prática de assistir meus seriados sem legenda, leio textos em inglês quando faço pesquisas e consigo me virar na fala, contudo ainda me falta um intercâmbio ou um intensivo por aqui mesmo.

Italiano

Aos 19, matriculei-me no curso de italiano, formei-me após 3 anos e meio. Contudo seis meses depois, ficou bem claro que o meu domínio do italiano não existia, rs O método era menos repetitivo, mais diálogos, contudo para  os alunos que não dialogavam, como eu, por medo de errar, ficava mais difícil aprender. Lições, vocabulários, trabalhos, textos, provas. A gramática principalmente  não foi bem assimilada, quer dizer  não me  peça para conversar em italiano. Agora então, quase quatro anos sem estudar, não consigo me virar. Leio e entendo diálogos, mas não falo.

Francês


Era apaixonada por italiano, até que comecei a estudar francês, e acredito que o começar do francês também não ajudou muito na prática do italiano. A princípio estudei o francês como disciplina na Universidade, não foi a primeira disciplina de outros cursos que estudei. Foi uma experiência diferente pois as aulas não foram tiradas de livros. Aprendíamos a gramática e os vocabulários de acordo com o contexto abordado na aula. Superei a dificuldade de reconhecer o som e a escrita da língua, mas a pronúncia ainda é uma barreira. No ano seguinte, seis meses após terminar o italiano, matriculei-me no curso de francês. Foi um retorno ao  estudo pelo livro, contudo não continuei, ainda preciso retornar um dia.

LIBRAS  


Hoje, comecei a estudar LIBRAS - Linguagem Brasileira de Sinais. Sou fascinada por esta comunicação gestual e sinto que ela ainda não recebe a devida importância. Foi inigualável quando o professor começou a comunicar-se por  LIBRAS. Pois a princípio precisamos concentrar-nos nos gestos, e uma vez que percebemos que conseguimos compreendê-los o desafio passa a ser assimilá-los. Aprendemos o alfabeto,  e foi muito bom o exercício que ele  passou ao colocar nomes de personalidades para que sinalizassemos. Agora é praticar o alfabeto e como sinalizar nomes durante o carnaval, já que não haverá aula.Outra coisa interessante é pode utilizar as duas mãos, ao menos eu fiz questão de sinalizar com a esquerda também.
Depois do carnaval continuarei meus estudos de LIBRAS e comento mais então.
Bom carnaval!