0

0

quarta-feira, fevereiro 12, 2014

Fotografia digital, minha década

Algumas redes sociais estão comemorando dez anos em 2014, Facebook e Flickr por exemplo. Entrei no Flickr em 2008 e no Facebook em 2009. Conheci as redes sociais através do Orkut e Multiply em 2005.
Descobri hoje que ano passado o Multiply foi desativado e com ele perdi um pouco mais da minha história fotográfica.

Em 2004 optei por pagar Fotografia com o professor Celso Brandão, estava no meu segundo ano de Comunicação Social, não conhecia câmeras fotográficas profissionais, andava com um câmera "saboneteira", e não tinha qualquer familiaridade com fotografia digital.

A primeira vez que segurei uma câmera digital em minhas mãos foi em uma aula desta disciplina da faculdade. E para poder cumprir o dever de casa, elaborar um ensaio fotográfico, pude pegar aquela câmera digital emprestada e descobrir toda aquela novidade de pode apagar as fotos que não serviriam, não ter problema com limite de pose. Comecei a redescobrir o mundo.

Apenas em 2007, ganhei a minha primeira câmera digital, que ainda funciona, Sony Cybershot DSC - S650, a partir daí aprendi que a cada câmera tudo se renova, não apenas a tecnologia, mas a maneira como observamos e capturamos o entorno também.

Foto tirada com meu celular que tem uma resolução muito próxima da minha Sony.

Voltando a 2005 que foi quando comecei a subir, publicar e "guardar" minhas fotos online, ao criar minhas contas no Orkut e no Multiply. Não consegui utilizar o multiply como blog, nem postar fotos diariamente e assim em 2006 criei este blog e a minha conta no Fotolog.

Meu histórico no Flickr perpassa por umas quatro contas, pois alcançava rapidamente o limite de fotos, até que em 2011 tomei vergonha na cara e comprei uma conta no Flickr. Em 2013 ainda me rendi ao Instagram, mas não consegui ter a mesma interação ou dedicação que empenhei nas experiências anteriores.

Ainda cheguei a utilizar o Picasa para guardar as minhas fotos, mas com a chegada do Facebook passei a postar todas por lá.

E apesar de toda essa experiência digital ainda tenho dificuldade de ter meu acervo todo online. Quando preciso rever, dependo do meu HD externo para acessar.

Isso também porque nem quero lembrar que perdi metade do meu acervo fotográfico em 2008, quando a minha bolsa encontrou um novo dono. O que me restou de fotografia no período de 2004 a 2008 foi por conta das contas online que criei para publicá-las ou guardar.

Estou ansiosa por iniciar uma nova década, quem sabe com mais recursos e novas descobertas.