0

0

quarta-feira, dezembro 27, 2006

Incontrolável

Acabara de ligar o computador e ao checar as páginas de costume, surpresa, uma amiga tinha deixado uma frase singela para outra pessoa querida. Em seguida foi checar os escritos daquela pessoa querida e ao ver a resposta o seu rosto iluminara-se de emoção. Era inaceitável, não era com ele, porque ficara tão feliz?
E então lembrou-se do aniversário de uma amiga querida e o quanto foi especial ver o carinho que tantos outros também sentiam por ela, fotografara aquela festa com um brilho no olhar e uma lágrima escondida, pois a cada foto que tirava observava uma demonstração de carinho ou de reconhecimento pela simpatia que aquela amiga despertava em todos e nele.
Inconcebível era o fato de que ele soubesse tão bem expressar seus sentimentos, escrevendo e demonstrando-os e ainda ficasse tão tocado ao ver a troca entre dois conhecidos ou até mesmo dois desconhecidos.
E quando essa troca era um retorno para com ele... Era incontrolável. Qualquer singelo gesto para com ele era alimento para a sua alegria eterna... O mandar ou o receber de um beijo ou abraço, um sorriso recebido, simples palavras, um olhar, e quando recebia um presente, uma homenagem...
ele mal cabia em si, ele nunca coube em si.

Nenhum comentário:

Postar um comentário