0

0

segunda-feira, outubro 12, 2009

Vida de cinefila: As oficinas de minha vida

É muito louco pensar que mesmo antes de aprender a ser desenrolada, e sem nem conhecer direito Almir Guilhermino e Elinaldo Barros, consegui o contato dos dois e organizei uma palestra sobre o Cinema alagoano. Isto foi no fim do primeiro ano no curso de Jornalismo (2003). Fui guiada pela curiosidade sobre produções alagoanas, como assim nunca tinha ouvido falar sobre isso. Porque quando soube que ela existia, precisava saber mais sobre, e assim foi o jeito. Contudo, encarava ainda o cinema como uma curiosidade, um hobby, levou um tempo p entender que era mais sério, que era a minha vida.

A primeira oficina a gente nunca esquece, rs Pelo menos eu nunca esqueci. Foi em 2004. Guardei até o cartaz que encontrei por acaso, numa época em que eu nem era metida a estar em tudo, rs Mas mesmo sem conhecer quem estava promovendo ou quem ia palestrar, eu lá fui.
Passei três dias ouvindo Marcus Villar, que devo dizer que é uma pessoa muito bacana, falando de sua produção e da realidade de ter um núcleo de produção audiovisual em seu estado. Conheci Hermano Figueiredo que foi quem organizou a oficina, e que mal sabia eu o quanto ele ainda seria importante daí por diante.
Pois a segunda oficina com o Torquato Joel, conterrâneo e amigo do Marcus, também foi organizada por Hermano. Outra na semana seguinte, também organizada por Hermano, pelo Doc TV. Foram as minhas primeiras oficinas de roteiro em 2005, contudo ainda não tinha maturidade para me aventurar a escrever um.

Em 2006, foi a quarta, dessa vez o palestrante foi o próprio Hermano. E ouví-lo por uma semana no SENAC, me fez ao menos esboçar idéias de roteiros. Neste mesmo ano eu realizei a quinta oficina pelo SESC, tbm com o Hermano, mas essa foi mais duradoura, foram quatro meses, com dois encontros por semana, e como uma atividade da oficina era esboçar roteiro, eu tive que esboçar o meu primeiro, chamei de "Des ve-los" e como tinha dificuldades para criar diálogos, acabei por “roteirizar” um curtinha embalado por música, rs Até hoje ele aguarda que eu o desenvolva melhor e o grave, aff

Em 2007 o SESC promoveu uma oficina de Videoarte com o Oscar Malta, foi a primeira oficina com objetivo prático que eu fiz, e foi a primeira vez que eu tive que estruturar o que eu ia filmar, e ter a câmera na mão para filmar. Foi muito deslumbrante essa experiência. Neste mesmo ano, cursei uma ofina de Argumento com o René Guerra, muito intenso e inspirador, tentei desenvolver mais o 'Des ve-los". Fiz também a oficina do Anima Mundi no Sesc.

2008 foi o ano das oficinas. Glauber ministrou uma oficina de Videodança no Sesc, na qual fui assitente de edição. Foi quando surgiu o Olhar Brasil e de maio à outubro eu fiz sete oficinas: Câmeras e mídias, Roteiro, Edição, Desenho de som, Direção de fotografia, Produção e Animação. No fim do ano ainda teve a oficina de Construção do olhar cinematográfico com o René, onde aprendi a valorizar as restrições.

Em 2009 teve a oficina de Laboratório de roteiristas pelo Olhar Brasil, não fui selecionada, mas fiz a primeira semana de gaiata e isso foi muito importante para que eu começasse a formatar o meu segundo roteiro de curta, que foi o primeiro roteiro que gravei.

Estou esperando as próximas oficinas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário