0

0

segunda-feira, outubro 12, 2009

Vida de Cinefila: Cinema em jornalismo

Fundamentos do Cinema

Em 2006 a disciplina Fundamentos do Cinema voltou a ser ofertada na grade de disciplinas optativas (ausente desde 2003). Era o meu último ano na Ufal ou devia ter sido. O professor Almir Guilhermino organizou para que fosse um semestre teórico e um prático. No começo da prática foi proposta a adaptação do conto Azul Turquesa de Lis Paim. E como ele se empolgou com a adaptação de Lis e Amanda, ele viabilizou para que gravassemos o roteiro adaptado.
Assumi a "produção" do curta, com certeza não foi em termos financeiros, os termos financeiros foram divididos entre Amanda, Lis e eu, em termos de figurino e alguns materiais. Fiz contatos com os atores. Lis e Amanda foram atrás das locações. Programamos os dias de filmagem. Os equipamentos foram garantidos por Pedro da Rocha.
Foram dois dias de gravação. Um dia na locação de um bar no Centro, onde a família de Lis fez figuração, Amanda tbm, Nilton foi o único ator oficialmente convidado para ser figurante, rs O roteiro era sobre uma fotógrafa procurando o clique perfeito pelo Centro, e a atriz convida da para fazer a fotográfa foi Valéria Nunes. No outro dia a locação foi na "praça da cadeia" em frente a Santa Casa de Maceió.
Gravamos nesses dois dias e depois Lis e Marianna partiram para a edição, infelizmente o filme não vingou.

Laboratório de Imagem

Em 2007, continuei na Ufal, como bolsista de Celso Brandão num projeto de Mapeamento do Patrimônio Imaterial de Alagoas. E aproveitei para cursar mais uma disciplina com ele, Laboratório de Imagem. Onde todas as quintas procuravamos algum evento ou tema para irmos filmar. Um de meus filmetes foi fruto dessas aulas, que é o Dia de Branco, Celso havia nos convidado para irmos na exposição de Delson Uchôa na Pinacoteca, e havia convidado uma atriz para fazer uma performance, Juliana Barreto.


Em outras aulas filmamos a ocupação da reitoria da Ufal e a desocupação, uma mobilização estudantil em busca de melhorias na Universidade. Rafael pouco tempo depois surgiu com o intuito de organizar um filme sobre esta mobilização, daí foi montado, Dias de ocupação, no qual auxiliei sua construção.

E também foi a partir das aulas que comecei a fazer parte do projeto que o estudante de história Ivo Farias estava executando, de documentar Fernão Velho, colaborei com o documentário que ele estava realizando e aproveitei algumas imagens que ele não usou para fazer o meu primeiro documentário, Efernescer.


Nenhum comentário:

Postar um comentário